Dólar mais caro leva brasileiros a renegociar pacotes de turismo

O dólar em alta está obrigando muitos brasileiros a mudar o roteiro que tinha sido planejado para a viagem das férias de verão.

É sempre assim: quando você se dá conta, o ano já está quase acabando. E nessa época, as pessoas começam a planejar: a lista de presente, onde vão passar o Natal, Ano Novo.

Sair pra passear, viajar todo mundo gosta. Mas a gente sabe, não dá para fazer as malas sem, antes, calcular: quanto eu posso gastar? O brasileiro tá mais cauteloso, segurando o dinheiro, porque não está fácil pra ninguém. Por isso, muita gente que ia para longe resolveu ficar um pouco mais perto.

O Carlos e a Roseli tinham comprado um pacote de 21 dias na Itália. Mas o dólar começou a subir – ia ficar pesado. Solução? Eles trocaram por um cruzeiro de uma semana na Argentina e no Uruguai.

“Você vai viajar pra fora, o dólar como está, você gasta no cartão de crédito e não sabe na volta quanto vai custar aquilo que você está gastando”, disse Carlos Luiz Vitiello, aposentado.

Para o casal, foi fácil mudar o destino. Mas tudo depende do contrato. As agências de viagens costumam cobrar multa de quem desiste da viagem ou troca o roteiro – fica em média entre 10% e 35% do valor do pacote.

A Associação Brasileira de Agências de Viagens, Abav, diz que o faturamento em 2015 vai desacelerar. A previsão é de um crescimento de 5%. Em 2013, foi de 20%.

“O brasileiro não deixa de viajar. Ele está revendo seus orçamentos, tem orçamento pra todos os bolsos viajando pra qualquer lugar”, afirmou Edmar Augusto Bull, vice-presidente da Abav.

O Laerte e a Fátima estão pechinchando. Eles queriam mesmo é ir pros Estados Unidos, mas não têm esse dinheiro todo pra gastar lá. E para a viagem sair do papel, desistiram de passar o Ano Novo fora de casa. A viagem nesse período fica 30% mais cara.

“Volta antes do Ano Novo, passa o réveillon em casa e viaja novamente. Tem que ser picadinho, se não a gente não passeia. E tem que sair um pouco de casa, senão fica maluco”, disse Fátima Mairena, dona de casa.

E as agências de viagem fazem de tudo para vender. Tem várias promoções: dólar congelado, que não muda mesmo com variações no câmbio oficial. Criança até 12 anos viajando de graça e parcelamento que pode durar até as próximas férias, em 12 vezes.

A Elaine só pensa nisso. Ela ainda não sabe pra onde vai, mas sabe que vai.
“Vimos alguns passeios nacionais, para o Sul, o Norte, o Nordeste. Qualquer coisa vai pra Praia Grande, pra Santos, que é mais próximo. Mas nunca deixa de realizar o sonho”, afirmou Elaine Cristina de Souza, advogada.

Fonte: O Globo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *