Covid-19 provoca perdas de R$ 2,2 bi no turismo brasileiro, diz CNC

Somente na primeira quinzena de março, o volume de receitas do setor de turismo brasileiro caiu 16,7% em relação ao mesmo período do ano passado, o que representa uma perda equivalente a R$ 2,2 bilhões.

A estimativa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) projeta ainda que os prejuízos já sofridos pelo setor têm potencial de reduzir até 115,6 mil empregos formais.

“O setor de comércio, serviços e turismo é o que apresenta maior potencial de impacto negativo. As atividades econômicas que o compõem dependem da circulação de mercadorias e consumidores. Em especial no turismo, afetado frontalmente pela impossibilidade de viagens, reservas e visitações, ação necessária para prevenção ao novo vírus”, explicou, em nota, o presidente da CNC, José Roberto Tadros, alertando que o impacto no segmento do comércio será sentido com defasagem um pouco maior.

Recessão

O economista da confederação responsável pelo levantamento, Fabio Bentes, avalia que o setor de turismo vinha liderando o processo de recuperação econômica e tinha condições de voltar ao nível pré-recessão até o fim deste ano.

“Caso a epidemia no território brasileiro siga o padrão chinês, o pico de contaminação se daria na segunda quinzena de abril. Todavia, ainda não é possível estimar como será a curva evolutiva do número total de casos no Brasil”, afirmou o economista.

Leia também: “Agentes são os grandes heróis desta crise ao lado dos profissionais de saúde”, diz Magda

Para fazer o estudo, a CNC cruzou informações do Índice de Atividade do Turismo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com dados relativos ao fluxo de passageiros em voos domésticos e internacionais, levando em conta ainda as informações sobre a demanda por voos nos países mais infectados e o número de casos registrados da doença.

O cálculo do desemprego no setor leva em conta que, historicamente, para cada queda de 10% no volume de receitas do turismo, o nível de emprego no setor é impactado em 2%.

Fonte: R7

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *