Buenos Aires: Um guia completo com dicas e informações sobre a capital Argentina

Preparamos um guia para os turistas que pretendem visitar Buenos Aires, a cultuada capital Argentina, em grande estilo. São dicas das melhores lojas e outlets onde se compra barato, bares e restaurantes, museus, atrações, casas de tango, hotéis e albergues para todos os tipos de viajantes.

10 atrações para respirar ares europeus

Teatro Colón

Em maio de 1908, abriu as cortinas para a primeira ópera, Aída, de Verdi. Enrico Caruso, Maria Callas e Montserrat se apresentaram ali. E também os incríveis Toscanini, Stravinsky e Richard Strauss. E Nijinski. Construído em um terreno de 8 202 m2, combina desenhos do Renascimento italiano, ático-grego, alemão e francês. Com capacidade para 3,5 mil pessoas, abriga produções de ópera, concertos e apresentações de balé. Tem uma orquestra estável, uma filarmônica, um coro de 100 vozes e um corpo de bailarinos. O Colón em si vale uma visita. A sala principal, em forma de ferradura, tem 33 m de diâmetro, 22 filas de plateia, sete andares de camarotes, balcões e galerias. Detalhes como a cúpula pintada da sala principal, o candelabro central de 7 m de largura e a escadaria de mármore impressionam. Restaurado para as comemorações do bicentenário da independência do país, deve retomar as visitas guiadas entre o final de 2010 e o começo de 2011 (informe-se antes). Para assistir a um espetáculo, acesse a programação em teatrocolon.org.ar. Calle Cerrito, 618 (Centro). 54-11/4378-7100.

Monumento de los Españoles

Difícil não tirar uma foto deste marco, localizado num dos cruzamentos mais movimentados de Palermo. A 25 m de altura, a escultura de mármore branco que simboliza a República foi um presente da colônia espanhola ao povo argentino, em homenagem ao primeiro centenário da independência, em 1910 – o projeto, no entanto, só foi finalizado em 1927. Na base da imagem, há quatro figuras de bronze alusivas às regiões do Chaco, Pampa, Andes e Rio da Prata. Av. del Libertador, esq. com Av. Sarmiento (Palermo).

Museo Nacional de Arte Decorativo

Construído no início do século 20, o palacete de arquitetura eclética francesa pertencia aos Errázuriz-Alvear, casta nobre da aristocracia de Buenos Aires. Ali estão expostas mais de 4 mil peças do acervo da família, como móveis, tapetes, pratarias e quadros. No vestíbulo em estilo Luis XVI, os vasos chineses da dinastia Kang-Hi (1662-1722) são só um século mais antigos que os óleos do escritório, entre eles um Manet. A seguir, escancara-se um salão com pé-direito de castelo, adornado com vitrais, parquet original, tapeçarias flamencas e telas como Jesus com a Cruz nas Costas, de El Greco. Na sala de jantar, o revestimento de mármore copia o Salon d’Hercule, do Palácio de Versailles. Porcelanas de Limoges, Sèvres e Meissen enfeitam o salão de baile, em estilo regência. No salão da senhora Errázuriz, a linda escultura A Eterna Primavera, de mármore, leva a assinatura de Rodin. No andar de cima, o exagero ganha um toque de exclusividade: a sala de estar privada exibe a maior coleção de pinturas em miniatura da América Latina. Av. del Libertador, 1902 (Recoleta). 54-11/4801-8248. jan/fev: 3ª/sáb 14h/19h; mar/dez: 3ª/dom 14h/19h. Visitas guiadas: consulte em mnad.org. AR$ 5 (3ª grátis).
Museo de Arte Español Enrique Larreta

A mansão de 1880, onde morou o escritor Enrique Larreta do início do século 20 até 1961, é toda decorada como um palácio renascentista espanhol. Tapeçaria de Flandres do século 17, móveis dos séculos 15 a 18, esculturas de madeira talhada e pinturas das escolas basca, flamenca e catalã compõem a valiosa coleção de arte – os três quadros do conjunto Cenas da Paixão, de 1550, com riqueza de detalhes, cores e personagens, já valeriam a “viagem” até Belgrano. Mas há mais. Numa suntuosa sala lateral, o piso de mármore quadriculado e o papel de parede vermelho servem de cenário para óleos espanhóis dos séculos 15 a 19. No escritório de Larreta, repare no poderoso retábulo barroco. O jardim andaluz, com arbustos de podas geométricas e agradáveis passarelas, arremata o passeio. Visitas guiadas ao jardim no primeiro sábado de cada mês, às 15h e às 17h. Av. Juramento, 2291 (Belgrano). 54-11/4783-2640. 2ª/6ª 14h/20h, sáb/dom 10h/20h. AR$ 1.

Tres de Febrero

O presidente Sarmiento foi um dos idealizadores do pulmão verde da cidade, inspirado no Bois de Boulogne, de Paris, e inaugurado em 1875. Nos fins de semana, seus 80 hectares são tomados por casais, famílias e atletas de ocasião, que criam um cenário humano semelhante ao do Parque do Ibirapuera, em São Paulo. Ao som de apresentações de tango intercaladas pelo canto dos pássaros, portenhos namoram e apreciam um mate. Sobre um dos dois lagos artificiais, uma linda ponte-pérgola conduz ao Rosedal (3ª/dom 8h/20h), onde as rosas brotam em grande variedade de cores e tamanhos. Também chamado de Bosques de Palermo, o complexo reúne outros endereços importantes da capital: o Zoo, o Planetario, o Museo Eduardo Sívori, o Jardín Japonés, o Hipódromo, o Campo Argentino de Polo e o La Rural, espaço de feiras de Buenos Aires. Av. Adolfo Berro.

Plaza Mitre

Quase em frente ao Museo de Bellas Artes, esse agradável gramado em aclive fica salpicado de portenhos aos domingos. Ali, eles se esticam para tomar sol, soborear um mate e fazer piquenique. O morro é encimado por um pomposo monumento ao ex-presidente Bartolomé Mitre, num dos largos mais charmosos da Recoleta. Av. Gen. Gelly y Obes (Recoleta).

El Ateneo Grand Splendid

Era uma vez um teatro que virou cinema, um cinema que virou livraria e uma livraria que virou atração turística. A história da El Ateneo encontra o belíssimo Teatro Grand Splendid no ano 2000, mas muito glamour passou por aqui antes disso. O teatro foi construído em 1919 pelo austríaco Max Glücksmann. Depois de receber espetáculos de tango, o lugar passou a funcionar como cinema em 1926, e assim se manteve por 70 anos. Em 2000, o Grand Splendid foi comprado pela rede de livrarias Yenni, que trocou as poltronas por milhares de livros, CDs e DVDs. E o palco – onde até Carlos Gardel se apresentou – virou um café, com piano ao vivo. São cinco andares: o térreo, três galerias e um subsolo, onde fica a seção infantil. Mesmo quem não deseja comprar nada deve conhecer o lugar – nem que seja para contar aos amigos que esteve na maior e mais linda livraria da Argentina. A matriz, fundada em 1912, fica no Centro (Calle Florida, 340). Av. Santa Fe, 1860 (Recoleta), 54-11/4813-6052 (tematika.com.ar). Cc: A, D, M, V. 2ª/5ª 10h/22h, 6ª/sáb 10h/23h. dom 14h/22h.

Café Tortoni

Inaugurado em 1858, o bar mais antigo da cidade é o arquétipo do café portenho. Seu primeiro dono foi um imigrante francês, que importou o nome Tortoni de um endereço da moda no Boulevard des Italiens, em Paris. A partir do começo do século 20, tornou-se ponto de encontro de políticos e artistas, como Jorge Luis Borges, García Lorca, Cortázar e Gardel. Seu estilo arquitetônico e decorativo, com vitrais no teto, volutas neoclássicas, espelhos bisotados e lustres de época, influenciou as feições de bares e cafés de toda Buenos Aires. Hoje, é um dos pontos turísticos mais visitados da capital. Av. de Mayo, 825 (Centro). 54-11/4342-4328. Cc: A, M, V. 8h30/2h.

Palacetes da Avenida Alvear

A avenida mais elegante da Recoleta enfileira imponentes construções neoclássicas, que conferem glamour a um passeio a pé e rendem boas fotos. Entre as joias arquitetônicas estão o edifício belle époque da Embaixada da França (Calle Cerrito, 1399, na extensão da Alvear); o Palácio Pereda (Calle Arroyo, 1130), que serve de residência ao embaixador brasileiro e foi inspirado no castelo de Fontainebleau; o Palácio Casares (nº 1345), sede do Jockey Club; a Mansión Azaga Unzué (Calle Cerrito, 1455), anexa ao hotel Four Seasons; a Embaixada do Vaticano (nº 1637); o Palacio Duhau (nº 1661), do hotel Hyatt; a Casa Nacional de La Cultura (nº 1690); a Casa de las Academias Nacionales (nº 1711); e o hotel Alvear Palace (nº 1897). Cercada de pomposas residências, a Plaza Carlos Pellegrini homenageia o ex-presidente argentino com um monumento de mármore de Carrara e bronze. Fica em frente ao Palacio Pereda.

Plaza San Martín

É considerada por muitos portenhos a mais bela da cidade. Seus jacarandás centenários com copas gigantes são mesmo um deleite. Há dois monumentos imponentes: um ao general San Martín, que ali der rotou os ingleses, em 1807; e outro aos mortos na Guerra das Malvinas. Ao seu redor, podem ser vistos prédios marcantes, como o art déco Kanavagh, inaugurado em 1935 e, durante anos, o maior arranha-céu da América do Sul; o Plaza (Marriott), um dos hotéis mais tradicionais da Argentina; o Edificio Estrugamou, com sua cópia da Vitória de Samotrácia; e o bonito Palacio San Martín. Av. del Libertador (Retiro).

10 atrações da Buenos Aires moderna

Museo de Arte Latinoamericano (Malba)

Fundado no ano 2000 pelo mecenas Eduardo F. Costantini, o Malba é uma referência em Buenos Aires. A arquitetura moderna do prédio, um atrativo em si, colabora para uma visita linear, agradável e relativamente rápida. Se puder conhecer apenas um museu na cidade, que seja este. No primeiro andar, ele abriga a valiosa coleção de arte latino-americana de seu fundador, com mais de 200 trabalhos. O Abaporu, obra-prima de Tarsila do Amaral, está lá, assim como um autorretrato de Frida Kahlo e obras do mexicano Diego Rivera, do argentino Xul Solar, do colombiano Fernando Botero e dos brasileiros Di Cavalcanti, Lygia Clark e Hélio Oiticica. O segundo andar é reservado a exposições de arte contemporânea. Tem agradável cafeteria e uma lojinha cheia de livros de arte e objetos de design. Para visitas guiadas, agende pelo tel. 4808-6541.. Av. Figueroa Alcorta, 3415 (Palermo). 4808-6500. 2ª 12h/20h, 4ª 12h/21h, 5ª/ dom 12h/20h. AR$ 20 (4ª AR$ 10). Cc: A, M, V.

Museo River

Em uma área de 3,5 mil m², o moderníssimo museu é de causar inveja aos hinchas do Boca Juniors. A visita começa num pequeno cinema 360 graus, que exibe depoimentos sobre a história dos Millonarios, o soberbo apelido do clube fundado em 1901. A seguir, um “túnel do tempo” cheio de efeitos especiais abre as portas para a trajetória do River Plate. Painéis, tabelas de campeonatos e gols decisivos, exibidos em LCDs, ilustram década por década. Acompanham a cronologia objetos antigos, revistas, discos, a reprodução de um camarim de Gardel e até uma réplica da Mercedes Flecha de Prata que consagrou o piloto Juan Manuel Fangio. Na linda sala de troféus, redomas especiais protegem as duas Libertadores da América (1986/96) e o Mundial Interclubes (1986) conquistados pelo time. Maquetes do velho e do novo estádio, homenagens a craques eternos (Di Stéfano, Fillol) e uma locomotiva alusiva ao ataque conhecido como “La Maquina”, da década 40, fecham o acervo. A visita completa (11h/17h) inclui o tour guiado pelo estádio El Monumental, palco da final da Copa de 1978, com explanações na tribuna de honra, nas numeradas e na pista de atletismo à beira do gramado. Na saída do museu ficam a loja oficial da Adidas e uma lanchonete.Av. Figueroa Alcorta, 7597 (Nuñez). E 4789-1156. 10h/18h (fecha nos dias de jogo). AR$ 35 (museu) a AR$ 45 (com o estádio tour). Cc: A, D, M, V.

Museo Fortabat

Inaugurado em 2008, ocupa um moderno edifício com vista para o dique 4 de Puerto Madero. O acervo permanente exibe a coleção de arte da empresária Amalia Lacroze de Fortabat, na qual predominam quadros de artistas argentinos como Prilidiano Pueyrredón, Fernando Fader, Batlle Planas, Xul Solar e Emilio Petorutti. Entre as obras estrangeiras, há desenhos assinados por Rodin e um retrato a óleo de Amalia Fortabat feito por Andy Warhol, no estilo pop que o consagrou. Visitas guiadas: 3ª/ dom 15h e 17h (incluída no ingresso). Calle Olga Cossettini, 141 (Puerto Madero). E 4310-6600. 3ª/dom 12h/21h. AR$ 15. Cc: A, M, V.

Museo Xul Solar

Meio Kandinsky, meio Paul Klee, a colorida obra cheia de geometrias, epifanias e dadaísmos, com a presença constante de figuras e cenários surrealistas, fez do argentino Xul Solar (1887-1963) um dos pintores mais importantes da vanguarda latino-americana. O pequeno museu, instalado na antiga casa do artista – um imóvel de concreto armado e curiosa planta assimétrica -, exibe cerca de 50 trabalhos, muitos deles em aquarela, a técnica predileta de Solar. Calle Laprida, 1212 (Barrio Norte). 4824-3302. AR$ 10. 3ª/6ª 12h/20h, sáb 12h/19h. Visitas guiadas: 3ª e 5ª 16h, sáb 15h30.

Fundación Proa

O edifício de 1880 foi reformado e ampliado, dando lugar, desde 2008, a este moderno museu em plena La Boca. Tem boas exposições de arte contemporânea, saraus e sala de leitura. A livraria dispõe de títulos de arte e revistas especializadas. Na cafeteria, aprecie a vista para o Rio Riachuelo e para a Ponte Avellaneda, patrimônio histórico do bairro.Av. Pedro de Mendoza, 1929 (La Boca). 4104- 1000. AR$ 10. Cc: A, M, V. 3ª/dom 11h/18h30. Visitas guiadas: 3ª/6ª 17h, sáb/dom 15h e 17h.

Museo de Artes Plásticas Eduardo Sívori

Perto do Rosedal do Parque Tres de Febrero, ocupa um edifício de concreto armado, agradável e moderno. O acervo, quase todo de pintura argentina contemporânea, mostra um pouco da irreverência, do sarcasmo e do talento dessa nova geração de artistas. Tem boa lojinha e um idílico jardim de esculturas, onde funciona o café.Av. Infanta Isabel, 555 (Palermo). 4774-9452. 3ª/6ª 12h/20h, sáb/dom 10h/20h. AR$ 1 (4ª e sáb grátis).

Puerto Madero

A arquitetura clássica de Buenos Aires dá lugar à contemporânea em Puerto Madero. Cercado de prédios envidraçados, de caixotões com cara de lofts e dos novos arranha-céus de Madero Este, o canal repleto de veleiros convida a uma caminhada sem pressa, em seus largos calçadões, entre um café e um sorvete. Restaurantes avarandados e atrações como o Museo Fortabat prolongam o programa. No dique 3 está a Puente de La Mujer, um arrojado projeto do arquiteto espanhol Santiago Calatrava. Cartão-postal da cidade, essa ponte de pedestres liga as duas margens de Puerto e tem estrutura de aço de 160 m, com um trecho giratório sustentado por 600 m de cabos – 20 motores a fazem girar para as embarcações passarem.

Las Cañitas

As duas quadras entre os números 200 e 400 da Calle Báez, no microbairro de Las Cañitas (norte de Palermo), formam um festivo corredor de bares-restaurantes, com calçadas largas, bem-iluminadas e cheias de mesas. Não espere o melhor da gastronomia – se muitos moradores consideram Puerto Madero um lugar “pega-turista”, Las Cañitas tem seu lado “pega-portenho” -, mas o pedaço fica a contento para quem quer entornar umas em meio à juventude hermana. No pub holandês Van Koning (nº 325, Cc: todos), rola futebol na TV, som descontraído e cervejas europeias em promoção, todas as noites, até as 22h. Com clima de cantina moderna, o Eh! Santino (nº 194, Cc: A, V) é opção para uma massa caseira com Malbec. No badalado Soul Café (nº 246, Cc: A, M, V), há música ao vivo e sushi bar.

Plaza Cortázar/Serrano

É o centro do bairro de Palermo, em seu pedaço Soho. Durante o dia, os bares voltados para a pracinha recebem gente de todas as idades para uma cerveja, uma gaseosa (refrigerante), uma refeição. Nos fins de semana, tanto a feira de roupas e acessórios que se instala nas cercanias quanto a de artesanato, no meio da praça, ajudam a atrair mais público ao lugar.

Floralis Genérica

Todas as manhãs, a partir das 8h, a famosa escultura metálica de 20 metros de altura abre suas seis pétalas. No crepúsculo, “La Flor” se fecha. Feita de aço e alumínio, foi doada em 2002 pelo arquiteto Eduardo Catalano (estima-se que tenha custado 5 milhões de dólares). Plaza Naciones Unidas (Av. Presidente Figueroa Alcorta/Calle Austria, Palermo).


10 cafés portenhos

Bar Plaza Dorrego

Aberto em 1830 e localizado em uma esquina privilegiada da Plaza Dorrego, esse bar-café é um dos mais antigos de San Telmo. Aos domingos, as cadeiras colocadas na rua lotam de visitantes da feira de artesanato, que param ali para tomar uma cerveja ou um cortado.Calle Defensa, 1096 (San Telmo), 54-11/4361-0141. 8h/1h.

Café Iberia

Fundado em 1936, tem muita história para contar. Uma delas data da época da Guerra Civil Espanhola, quando o local era frequentado pelos imigrantes republicanos. Detalhe: os franquistas se reuniam no café em frente, onde hoje funciona uma agência bancária. A proximidade, claro, chegou a provocar enfrentamentos entre as facções políticas. Av. de Mayo, 1196 (Centro), 54-11/4381-6300. Funciona 24h.

Café La Paz

Na década de 60, ficou conhecido como o café dos escritores. Eles vinham aqui para fazer o que muitos clientes fazem até hoje: observar o movimento da avenida, que é cheia de teatros e livrarias. Av. Corrientes, 1593 (Centro), 54-11/4373-3647. Cc: A, M, V. 2ª/dom 7h/1h.

Café Tortoni

Difícil encontrar um turista que foi a Buenos Aires e não visitou o Café Tortoni. O lugar mantém-se fiel desde a inauguração, em 1858, com espelhos, lustres e cristais franceses. Faça como os escritores García Lorca e Jorge Luis Borges, que vinham muito aqui, e prove iguarias como o chocolate com churros e o chá com leite. Há shows de tango (programe-se em cafetortoni.com.ar). Av. 25 de Mayo, 825 (Montserrat), 54-11/4342-4328. Cc: A, M, V. 8h/0h.

Confitería Richmond

O café em estilo belle époque, com fachada de vidro, fica em plena Calle Florida, um dos polos de compras da cidade. Desde 1917, serve chás, cafés e submarinos (leite quente com uma barra de chocolate dentro). Calle Florida, 468 (Centro), 54-11/4322-1341. Cc: A, M, V. 2ª/sáb 7h/22h.

Florida Garden
Em ponto nevrálgico da Calle Florida, esse café de 1962 é boa opção de parada para um expresso ou um trago. Nas vitrines, os clientes podem escolher entre diversas tortas doces e um tradicional cheesecake. Calle Florida, 899 (Centro), 54-11/4312-7902. Cc: A, V. 2ª/sáb 7h30/0h, dom 8h/23h.

La Academia

Inaugurado em 1930, é a síntese de um típico café portenho: a qualquer hora do dia, há sempre casais de namorados, universitários ou executivos que tiram algum tempo para ler um livro e arriscar umas tacadas na mesa de bilhar. Av. Callao, 368 (Congresso), 54-11/4372-2765. Funciona 24h.

La Biela

Em meados do século 20, um grupo de fanáticos por automóveis e corridas lhe deu o nome de La Biela Fundida, que, mais tarde, viraria somente La Biela. Em suas paredes estão pendurados de radiadores e faróis a fotos do pentacampeão de Fórmula 1 Juan Manuel Fangio. O lugar já foi frequentado por ilustres personagens, como os escritores Jorge Luis Borges e Julio Cortázar. Funciona também como restaurante. Av. Quintana, 596 (Recoleta), 54-11/4804-4135. Cc: A, V. 7h/2h.

La Giralda

Um néon colorido chama a atenção para a receita que virou um clássico: churro com chocolate. Você pode prová-lo nas mesas de mármore que fazem o clima despojado do café. Av. Corrientes, 1453 (Centro), 54-11/4371-3846. 7h/0h.

La Puerto Rico

Desde que abriu as portas, em 1887, a casa conquista os portenhos com um café moído na hora e bolos caseiros. Nos fins de semana, há shows de tango e flamenco. Também funciona como restaurante. Calle Alsina, 416 (Centro), 54-11/4331-2215. Cc: A, M, V. 2ª/6ª 7h/20h, sáb 7h/1h30, dom 12h/20h.

10 restaurantes para ir a dois


Fervor (argentina)

É uma investida dos proprietários do italiano Sottovoce em uma cozinha de “brasas de campo y mar”. A nova casa tem ambientação elegante, com discretos espelhos bisotados, piso hidráulico xadrez e um mezanino panorâmico. Assados na parrilla, peixes como abadejo, linguado e robalo são populares entre os clientes portenhos, mas surpreenderão menos os brasileiros que os cortes bovinos clássicos, entre os quais o ojo de bife. Calle Posadas, 1519 (Recoleta), 54-11/4804-4944. Cc: A, M, V. 12h/16h e 20h/0h. Faixa de preço: de AR$ 101 a AR$ 150.

El Baqueano (cozinha contemporânea)
Luminárias de ferro, velas vermelhas e um serviço bastante atencioso dão toques românticos a este modernoso e menos comentado endereço de San Telmo (discreto, fica numa casa de esquina e é quase um segredo portenho). O menu de sete fases criado pelo chef e proprietário Fernando Rivarola traz carnes que vão muito além dos clássicos parrilleros. Entre suas surpresas estão o carpaccio de lhama, o matambre de coelho e a perdiz com lentilhas, receitas que primam pela execução delicada, pela apresentação caprichada e pelo passeio de sabores autóctones. Calle Chile, 495 (San Telmo), 54-11/4342-0802. Cc: A, M, V. 3ª/sáb 20h/0h. Faixa de preço: de AR$ 101 a AR$ 150.

La Bourgogne (francesa)
Pertence ao hotel mais chique de Buenos Aires. A visita já valeria pela imersão na atmosfera francesa do Alvear Palace e de seu belo restaurante, com modernas cadeiras vermelhas e flores naturais sobre as mesas. A proposta gastronômica, no entanto, não fica atrás. O chef Jean Paul Bondoux, nascido na região da Borgonha, assina as clássicas receitas do cardápio e do menu degustação, opções do jantar. No almoço, há somente menu executivo. Uma cave no subsolo abriga 500 rótulos de vinho. Calle Ayacucho, 2027 (Recoleta), 54-11/4805-3857. Cc: A, D, M, V. 2ª/6ª 12h/15h30 e 19h/0h, sáb 19h30/0h. Faixa de preço: acima de AR$ 201.

Nectarine (francesa)
Escondida no fim de uma galeria com bares, lojas e restaurantes, a casa seduz pelo ambiente exclusivo e romântico. A cozinha, à vista dos clientes, prepara receitas francesas modernas em porções reduzidas. Pato, perdiz e carneiro são especialidades do lugar. Na carta de vinhos não faltam bons rótulos argentinos da uva Malbec. Calle Vicente López, 1661, 1º andar, (Recoleta), 54-11/4813-6993. Cc: A, V. 2ª/6ª 12h30/15h e 20h30/23h, sáb 20h30/23h. Faixa de preço: de AR$ 101 a AR$ 150.

Francesco (peruana)
A especialidade é a culinária ítalo-peruana, uma inusitada reunião de risotos, massas, muitos pescados e pratos andinos. Um dos melhores ceviches da capital argentina é feito aqui, acompanhado de milhos crocantes, batata-doce e um molho bem apimentado. No couvert são servidos deliciosos pães caseiros, como o de parmesão com tomilho. Pertence a uma rede peruana, com filiais em Miami e na Cidade do México. Calle Sinclair, 3096 (Palermo), 54-11/4878-4496. Cc: A, M, V. 3ª/6ª 12h/15h30 e 20h/0h, sáb 20h/0h, dom 12h/15h30. Faixa de preço: acima de AR$ 201.

Astrid & Gastón (peruana)
Integra o império gastronômico do chef Gastón Acurio, dono de mais de 40 restaurantes em 14 países. Considerado um embaixador da culinária peruana, ele tem no Astrid & Gastón sua marca principal. A unidade de Buenos Aires, além da cozinha andina, tem algumas receitas feitas com ingredientes argentinos, como o bife de chorizo ao wok com talharim e especiarias peruanas. Aproveite para experimentar os drinques à base de pisco, destilado de uva típico do Peru. Calle Lafinur, 3222 (Palermo), 54-11/4802-2991. Cc: A, M, V. 2ª/sáb 12h30/15h e 20h/0h. Faixa de preço: acima de AR$ 201.

Tomo I (variada)
É um dos melhores restaurantes de Buenos Aires e fica escondido no mezanino do hotel Panamericano, num salão chique e com vista parcial para a Avenida 9 de Julio. Ali os clientes provam as boas receitas criadas pelas irmãs e chefs Ada e Ebe Concaro. O cardápio tem interessantes informações sobre a procedência dos ingredientes, o que revela muito sobre a cozinha da dupla: uma mistura de técnicas clássicas com matéria-prima local e muito fresca. Toda noite há um menu degustação diferente, com vinhos incluídos. Hotel Panamericano, Calle Carlos Pellegrini, 521 (Centro), 54-11/4326-6695. Cc: A, D, M, V. 2ª/6ª 12h/15h e 19h30/1h, sáb 19h30/1h. Faixa de preço: acima de AR$ 201.

Patagonia Sur (variada)
A discreta casa de esquina, pertinho do Caminito e de frente para o Rio Riachuelo, oculta um restaurante de fino trato, com um quê descolado. Luxuoso nos talheres Christofle, erótico nas reproduções de Gustav Klimt e elegante na biblioteca, o estreito salão tem atmosfera de sala de estar intimista, com um perfume blasé no serviço. Para degustar as receitas inventivas do chef Francis Mallmann, uma das grandes grifes gastronômicas de Buenos Aires, paga-se mais de AR$ 400 por um menu com couvert, entrada, prato e sobremesa. A carta de vinhos reflete o requinte da casa, com 230 rótulos premium das bodegas argentinas. Calle Rocha, 801, (La Boca), 54-11/4303-5917. Cc: A, V. 3ª/sáb 12h/15h e 20h/23h30. Faixa de preço: acima de AR$ 201.

El Almacén de los Milagros (variada)
Bistrô clean e descontraído, exala frescor da decoração com livros de culinária ao atendimento jovial e solícito. Funciona como café ao longo do dia, com menu de matinais no início do expediente e de pratos rápidos no almoço. À noite, a vocação gourmet da casa se explicita em um cardápio enxuto à base de ingredientes como cordeiro, pato, peixes e massas. Entre as pastas caseiras, o ravióli de ternero (novilho precoce) estufado em seu próprio suco acompanha brunoise de vegetais. Av. Presidente Manuel Quintana, 210 (Recoleta), 54-11/4814-0533. Cc: A, M. 2ª/sáb 12h30/15h30 e 20h30/23h30. Faixa de preço: de AR$ 101 a AR$ 150.

Paladar Buenos Aires (variada)
São várias as restrições para jantar aqui: a casa só abre de quinta a sábado para o jantar, o cardápio é único (uma degustação de cinco etapas que muda todas as semanas) e é imprescindível reservar. As mesinhas ficam no agradável (e romântico) apartamento de Pablo Abramovsky e Ivana Piñar, o casal de proprietários. Enquanto ele cuida da cozinha, ela harmoniza a refeição com vinhos e, simpática, faz sala para os clientes. Calle Camargo, 754 (Villa Crespo), 54-15/5797-7267. 5ª/sáb 21h/23h. Reservar. Faixa de preço: de AR$ 101 a AR$ 150.

12 restaurantes para comer carne/comida argentina

Don Julio
Com atmosfera típica portenha, o famoso e despojado bodegón tem prateleiras com centenas de garrafas de vinho já bebidas pelos clientes, que deixam mensagens calorosas nos rótulos das botellas. O atendimento familiar convida os comensais a escolher as carnes in natura, diretamente no balcão da parrilla, antes de mandá-las para o braseiro. Na dúvida, vá de ojo de bife, um corte alto, suculento e macio do contrafilé. De entrada, a saborosa empanada de queijo e presunto, preparada frita, chega bem sequinha. Calle Guatemala, 4691 (Palermo Soho), 4832-6058. Cc: A, M, V. 12h/16h e 19h30/1h .

El Obrero
Localizado numa rua pouco turística e perigosa de La Boca, é lugar para ir e voltar de táxi – mas não deixar de ir. O bodegón rústico com piso hidráulico encardido, pôsteres de futebol nas paredes, mesas cada vez mais concorridas (reserve!) e garçons das antigas já acolheu gente como o cantor Bono e os cineastas Wim Wenders e Francis Ford Coppola. Os motivos excedem o pitoresco: sem gastar muito, você come um bife de chorizo ou um ojo de bife memoráveis. Apesar da vocação parrillera da casa, as rabas al limón (anéis de lula empanados) fazem sucesso como entrada.Calle Agustín Caffarena, 64 (La Boca), 4362-9912. 2ª/sáb 12h/16h30 e 20h30/2h.

Cabaña Las Lilas
Hit entre os brasileiros, que chegam a ocupar 70% das mesas nos feriados prolongados, o restaurante leva o selo de qualidade do grupo paulistano Rubaiyat, sócio da casa. Os lugares mais disputados ficam na varanda às margens de Puerto Madero, de onde se avista o canal e os prédios envidraçados do entorno. Cortes nobres argentinos como o bife de chorizo e o asado de tira dominam as duas vistosas parrillas. Para acompanhar, há papas suflê (batatas fritas infladas) e uma ótima carta de vinhos com 600 rótulos, 470 deles fabricados em solo argentino. Av. Alicia Moreau de Justo, 516 (Puerto Madero), 4313-1336. Cc: A, V. 12h/0h.

Happening
Cheio de executivos no almoço, tem uma varanda larga e elegante, característica dos restaurantes de Puerto Madero. No salão, os clientes são recebidos em um bar de espera e podem observar os assados dourando na parrilla. Dela saem cortes bovinos espessos e suculentos, mas o cordeiro braseado com batata rosti é uma opção a se considerar. Na sobremesa, a musse de doce de leite tem sabor marcante e ótima consistência.Av. Alicia Moreau de Justo, 310 (Puerto Madero), 4319-8712. Cc: A, M, V. 12h/2h.

La Cabrera
Para amenizar a fila de espera, repleta de estrangeiros e quase regra no jantar, a casa serve espumante e petiscos na calçada, como cortesia. Garçons bilíngues atendem as mesas, sempre festivas e um tanto próximas entre si. A cozinha explora clássicos parrilleros como a Pamplona de lomo (filé-mignon recheado), os chinchulines (intestino delgado) de cordeiro e os cortes argentinos tradicionais. Tem filial na mesma rua (nº 5127).Calle José Antonio Cabrera, 5099 (Palermo Soho), 4831-7002. Cc: A, M, V. 2ª/5ª 12h/16h30 e 20h15/1h, 6ª/dom 12h/16h30 e 20h15/2h.

Gran Parrill a del Plata
Bodegón ajeitado, com piso quadriculado em preto e branco, faixa de azulejos na parede e prateleiras com dúzias de vinhos enfileirados. Movimentado no almoço, tem cardápio de carnes e massas, mas não se chama Gran Parrilla por acaso. Vai bem do chorizo (linguiça) de entrada ao bife de chorizo, um corte de 350 gramas suculento, saboroso e grelhado ao ponto. Carta de vinhos com diversos rótulos econômicos.Calle Chile, 594 (San Telmo), 4300-8858. Cc: A, M, V. 12h/16h e 20h/1h.

Fervor
É uma investida dos proprietários do italiano Sottovoce em uma cozinha de “brasas de campo y mar “. A nova casa tem ambientação elegante, com discretos espelhos bisotados, piso hidráulico xadrez e um mezanino panorâmico. Assados na parrilla, peixes como abadejo, linguado e robalo são populares entre os clientes portenhos, mas surpreenderão menos os brasileiros que os cortes bovinos clássicos, entre os quais o ojo de bife.Calle Posadas, 1519 (Recoleta), 4804-4944. Cc: A, M, V. 12h/16h e 20h/0h.

Chori & Wine
Casa de esquina pequena, envidraçada e com atmosfera informal, tem parrilla à vista dos clientes. Ótimo lugar para desvendar os segredos do assado portenho: o parrillero e proprietário Jorge Martene trabalhou seis anos em Porto Seguro, na Bahia, adora o Brasil, fala bem o português e é muito simpático. Peça a ele, por exemplo, para dar explicações sobre os cortes das raças shorton e aberdeen angus que dominam o cardápio.Calle Godoy Cruz, 1997 (Palermo Soho), 4773-0954. 2ª/sáb 20h/0h.

La Brigada
A alta frequência de executivos, figurões e casais de bem com a vida confere um ar de exclusividade ao pequeno restaurante, um dos mais comentados do Centro. Sofás com estampas de camelos e abajures com motivos étnicos corroboram a faceta indiana da casa, composta de pratos como o camarão com curry e leite de coco. Na outra metade do inusitado cardápio, reinam receitas italianas. Tem uma filial pouco badalada dentro do hotel Loi Suites, bem ao lado (nº 855).Calle Estados Unidos, 465 (San Telmo), 4361-4685. Cc: A, M, V. 3ª/6ª 12h/14h30 e 20h/0h, sáb/dom 12h/16h e 20h/0h.

El Mirasol
Tradicional endereço de La Recova, polo gastronômico situado sob o viaduto da autopista 9 de Julio. Durante o dia, o chique salão envidraçado, as mesas do terraço e o mezanino com vista para a rua recebem generosa luz natural. No cardápio, os cortes clássicos argentinos, do lomo ao bife de chorizo, e as entradas parrilleras típicas, como os riñones de ternero (rins de vitelo), são complementados por boa variedade de saladas. Filial em Puerto Madero. Calle Posadas, 1032 (Recoleta), 4326-7322. Cc: A, M, V. 12h/2h.

Miranda
Popular entre os portenhos, este descontraído restaurante de Palermo Hollywood enche de moçada à noite, sobretudo nas mesas da calçada. Entre os cortes da parrilla, faz sucesso a bondiola de cerdo, uma carne saborosa – mas muito gordurosa – extraída da nuca do porco. Se não quiser arriscar, vá de ojo de bife, servido com batatas cozidas com casca, ovo assado sobre pimentão e chimichurri. A carta de vinhos lista 120 rótulos argentinos. Calle Costa Rica, 5602 (Palermo Hollywood), 4771-4255. Cc: A, D, M, V. 2ª/5ª 9h/1h, 6ª/sáb 9h/2h, dom 9h/1h.

El Desnivel
Cultuada por mochileiros e portenhos despojados, que aqui encontram carne farta a preços módicos, é uma das parrillas mais tradicionais de San Telmo. O extenso salão tem piso encardido, quadros tortos, mesas apertadas e toalhas de plástico. Escolha um lugar na frente, aproveite a proximidade com os vizinhos gringos e faça amizades, uma facilidade do El Desnivel. A outra é a conta: para acompanhar o bife de chorizo ou o asado de tira há diversos Malbec por menos de AR$ 30 a garrafa.Calle Defensa, 855 (San Telmo), 4300-9081. 2ª 19h/1h, 3ª/sáb 12h/16h30 e 19h30/1h, dom 12h/1h.

10 restaurantes para badalar

La Cabrera
Para amenizar a fila de espera, repleta de estrangeiros e quase regra no jantar, a casa serve espumante e petiscos na calçada, como cortesia. Garçons bilíngues atendem as mesas, sempre festivas e um tanto próximas entre si. A cozinha explora clássicos parrilleros como a Pamplona de lomo (filé-mignon recheado), os chinchulines (intestino delgado) de cordeiro e os cortes argentinos tradicionais. Tem filial na mesma rua (nº 5127).Calle José Antonio Cabrera, 5099 (Palermo Soho), 4831-7002. Cc: A, M, V. 2ª/5ª 12h/16h30 e 20h15/1h, 6ª/dom 12h/16h30 e 20h15/2h.

Casa Cruz
Não se esqueça de levar o endereço: a casa, com grandes portas de cobre na entrada, não tem nome na fachada e lembra uma balada. Com carpete de estampa de oncinha, paredes escuras, sofás vermelhos e garçons jovens (e muy lindos), o ambiente é dos mais badalados da cidade. O cardápio corresponde à altura. Assinadopelo chef Germán Martitegui, figurinha carimbada da gastronomia portenha, lista pratos ousados, como o ceviche de ostra com sorbet de maçã, de entrada, e o peito de pato com risoto de trufas, pêssego e seriguela, de principal.Calle Uriarte, 1668 (Palermo Soho), 4833-1112. Cc: A, M, V. 2ª/sáb 20h30/2h.

Sucre
A descrição pode soar estranha, mas é essa mesmo: a casa fica num grande cubo de concreto com pé-direito alto e clima moderninho. Das apertadas mesas, os clientes observam a cozinha e o belo bar, acima do qual uma curiosa passarela leva aos banheiros. O menu segue a linha criativa do ambiente, com ingredientes que parecem não se combinar – mas só parecem. O resultado de pratos como o peixe em crosta de azeitonas e mostarda sobre cama de batata e maçã é surpreendentemente equilibrado. Calle Mariscal Antonio José de Sucre, 676 (Belgrano), 4782-9082. Cc: A, M, V. 2ª/5ª 12h/16h e 19h30/0h, 6ª/sáb 12h/16h30 e 19h30/1h. Reservar.

Aramburu
O chef e proprietário Gonzalo Aramburu já trabalhou com expoentes gastronômicos do naipe de Daniel Boulud, em Nova York. Zeloso de suas delicadas criações, ele montou um restaurante para, no máximo, 30 felizardos por noite (reserve!). Nitrogênio, sifões e outros recursos da cozinha molecular trabalham a serviço de um menu de 12 passos, com espumas, gelatinas e até um algodão doce para acompanhar o Nespresso. Entre os principais, lombo de cordeiro com creme de alho e marmelada de uva e figo. Não há carta de vinhos; informe-se sobre os rótulos disponíveis. Callle Salta, 1050 (Constituición), 4305-0439. Cc: A, M, V. 3ª/sáb 20h30/23h30.

Tegui
O ar de “restaurante para VIPs” começa na chegada: num muro todo grafitado, uma campainha se esconde sobre a diminuta placa com o nome da casa. É preciso acioná-la para que a bela hostess venha atendê-lo (não deixe de reservar). Uma vez no salão, repare na bela decoração em preto e branco e desfrute o atendimento informal – por vezes, lento. Assinado pelo chef Germán Martitegui, do Casa Cruz, o menu lista receitas que mudam toda semana.Calle Costa Rica, 5852 (Palermo Hollywood), 5291-3333. Cc: A, M, V. 3ª/sáb 12h30/15h30 e 20h30/1h

Rëd Resto & Lounge (Hotel Madero)
O idioma inglês predomina no nome, mas a proposta daqui é combinar culinária e técnicas francesas com ingredientes argentinos. Bons exemplos são o confit de coelho, o cordeiro patagônico com cebolas carameladas e o atum com verduras. A adega é reforçada por rótulos das melhores bodegas argentinas. No térreo do hotel Madero, o restaurante fica num lounge decorado com sofás vermelhos, ocupados por executivos no almoço e casais no jantar.Calle Juana Manso, 1691, dique 2 (Puerto Madero), 5776-7676. Cc: A, D, M, V. 12h/15h e 20h/0h

Osaka
A filial de Buenos Aires segue o conceito da matriz, em Lima, com a culinária fusion da moda, que combina técnicas e ingredientes japoneses e peruanos. Por isso, no cardápio há desde sushis até ceviches e tiraditos, além de algumas criações, como lulas recheadas com camarões ao saquê e pimenta ají. Se ficar na dúvida sobre o que pedir, recorra aos garçons, solícitos e hábeis para indicar os melhores pratos. O bar lota tanto no almoço quanto no jantar. Calle Soler, 5608 (Palermo Hollywood), 4775-6964. Cc: A. 2ª/sáb 12h30/16h e 20h/0h. Reservar.

M Buenos Aires
A ausência de bons restaurantes japoneses em Buenos Aires é compensada pela boa oferta de casas peruanas que também servem sushis, sashimis, temakis, etc. Um exemplo é o M Buenos Aires, onde as refeições misturam influências dos dois países. A linda construção de tijolinhos aparentes está dividida entre o salão principal, uma sala exclusiva para reuniões, o bar e uma adega subterrânea. Calle Balcarce, 433 (San Telmo), 4331-3879. Cc: A, D, M, V. 2ª/6ª 12h/15h30 e 19h/0h, sáb 19h/0h

Bengal
A alta frequência de executivos, figurões e casais de bem com a vida confere um ar de exclusividade ao pequeno restaurante, um dos mais comentados do Centro. Sofás com estampas de camelos e abajures com motivos étnicos corroboram a faceta indiana da casa, composta de pratos como o camarão com curry e leite de coco. Na outra metade do inusitado cardápio, reinam receitas italianas. Tem uma filial pouco badalada dentro do hotel Loi Suites, bem ao lado (nº 855).Calle Arenales, 837 (Retiro), 4314-2926. Cc: A, M, V. 2ª/6ª 12h/15h e 19h/23h, sáb 19h30/0h.

Crizia
Queridinha de portenhos e de turistas descolados, a casa está sempre cheia – não fossem as conversas em alto e bom som, o ambiente à luz de velas seria mais romântico. A bancada de ostras, junto ao bar, dá uma pista sobre a preferência da cozinha por peixes e frutos do mar (há até centolla da Patagônia). Em combinações criativas, as receitas flertam com a cozinha contemporânea. Calle Gorriti, 5143 (Palermo Soho), 4831-5105, 4831-4979. Cc: A, M, V. 2ª/sáb 19h30/0h30.

10 shows de tango

Bar Sur
O espaço do salão é pequeno, o que confere às apresentações um tom mais intimista. Entram em cena dois dançarinos, dois músicos e duas cantoras da velha guarda portenha. Calle Estados Unidos, 299 (San Telmo), 54-11/4362-6086, bar-sur.com.ar. 2ª/dom (jantar e show 20h30/2h). US$ 48 (US$ 74 com jantar). Cc: A, M, V.

Café de los Angelitos
O tradicional endereço, fundado em 1890 com o nome Bar Rivadavia, passou por uma reforma em setembro e renovou seu show. No entanto, manteve a orquestra original de senhoras que tocam baixo, piano, flauta e bandoneón. Av. Rivadavia, 2100 (Centro), 54-11/4952-2320. cafedelosangelitos.com. 2ª/dom (jantar 20h, show 22h; 1h30 de duração). US$ 77 (US$ 115 com jantar). Cc: A, M, V.

Centro Cultural Torquato Tasso
Reveladora de músicos autênticos, essa casa tradicional foge dos estereótipos associados ao tango e foca sua programação em artistas da cena moderna. Por isso, a maioria dos shows tem preços mais acessíveis. Calle Defensa, 1575 (San Telmo), 54-11/4307-6506, torquatotasso.com.ar. 4ª/dom 22h (só show). US$ 12 (em média).

Complejo Tango
Situado em um casarão de 1895, retrata com fidelidade a origem popular do tango, tanto pelo salão mais despojado, próximo aos das tradicionais milongas, quanto pela escolha das canções. Av. Belgrano, 2608 (San Cristóbal), 54-11/4941-1119, complejotango.com.ar. 2ª/dom (jantar 20h30, show 22h; 1h15 de duração). US$ 35 (US$ 90 com jantar). Cc: A, M, V.

El Beso
Menos badalado e bem mais barato que as outras casas, varia sua programação todas as semanas. Oferece aulas gratuitas de tango antes dos espetáculos. Calle Riobamba, 416 (Tribunales), 54-11/4953-2794. 3ª/4ª e sáb/dom (jantar e show 21h). US$ 4 (US$ 9 com jantar).

El Querandí
A história do tango é recontada em cinco atos, em um palco que recebe músicos e dançarinos desde 1920. Por sua importância, a casa foi tombada pelo patrimônio cultural de Buenos Aires. Calle Perú, 302 (Centro), 54-11/5199-1771, querandi.com.ar. 2ª/dom (jantar 20h30, show 21h50; 1h40 de duração). US$ 65 (US$ 100 com jantar). Cc: A, M, V.

El Viejo Almacén
Declarada patrimônio cultural pela prefeitura, a casa conserva mobília e ambiente típicos dos Michelangelo, espetáculo com dançarinos, músicos e cantores bodegóns portenhos desde sua inauguração, em 1969. O programa conta a origem do tango nos bairros populares de Buenos Aires. Av. Independencia, 313 (San Telmo), 54-11/4307-6689, viejo-almacen.com.ar. 2ª/dom (jantar 20h, show 22h; 1h40 de duração). US$ 56 (US$ 102 com jantar). Cc: A, M, V.

Esquina Carlos Gardel
Como o próprio nome sugere, os shows homenageiam Carlos Gardel, principal responsável por tornar o tango conhecido mundialmente. O local lembra um elegante teatro. Pasaje Carlos Gardel, 3200 (Abasto), 54-11/4867-6363, esquinacarlosgardel.com.ar. 2ª/dom (jantar 20h30, show 22h30; 1h30 de duração). US$ 74 (US$ 105 com jantar). Cc: A, M, V.

Esquina Homero Manzi
O nome é uma homenagem a Homero Manzi, poeta e autor de várias músicas de tango. Além de exibições de dançarinos e músicos, a casa ministra aulas para quem quer arriscar alguns passos na pista (2ª/sáb 19h e 20h). Av. San Juan, 3601 (Boedo), 54-11/4957-8488, esquinahomeromanzi.com.ar. 2ª/dom (jantar 21h, show 22h; 1h30 de duração). US$ 31 (US$ 92 com jantar). Cc: A, M, V.

La Cumparsita
Muito popular, a casa é toda decorada com fotos de grandes nomes do tango. O presidente Lula, em uma de suas visitas a Buenos Aires, assistiu a este espetáculo. Calle Chile, 302 (San Telmo), 54-11/4361-6880, lacumparsitatango.com.ar. 3ª/sáb (jantar e show desde as 22h30). US$ 39 (US$ 64 com jantar).

10 lojas mais bacanas da cidade

Isadora
Lembra aquela marca britânica Acessorize, com muitas opções de bolsas, carteiras, brincos, colares, anéis e lenços – há até aquelas flores coloridas que as portenhas tanto usam nos cabelos. O melhor: tudo aqui é descolado e baratinho. Outra boa notícia é que existem mais de 20 endereços espalhados pela cidade. Filiais nos principais shoppings. Calle Armenia, 1789 (Palermo Soho), 4833-4342. Cc: A, M, V. 11/20h.

Tealosophy
A argentina Inês Berton tornou-se autoridade mundial no assunto, graças a sua capacidade de memorizar e reproduzir aromas – ela tem o que os especialistas chamam de “olfato absoluto”. Já criou cerca de 120 tipos de infusões, como a que mistura doce de leite e frutas vermelhas da Patagônia. A maioria dos produtos, no entanto, vem de países asiáticos. Curiosidade: Inês desenvolveu um chá para o Dalai-Lama Tenzin Gyatso (à base de flores de jasmim) e virou fornecedora do chiquérrimo hotel Waldorf Astoria, de Nova York. Filial em Palermo Soho (Calle Gorriti, 4865). Av. Alvear, 1883 (Recoleta), 4808-0483 (www.tealosophy.com). Cc: A, V. 2ª/6ª 10h30/20h, sáb 10h30/14h30.

Cardon
É uma das marcas mais famosas da Argentina – há mais de 110 lojas no país. Jaquetas, sapatos e acessórios, para crianças e adultos, têm design moderno. A maioria das peças é de couro de vaca, mas também há produtos de couro de ovelha, capivara, búfalo e veado. Filiais em Palermo Soho (Calle Honduras, 4755) e nos principais shoppings. Av. Alvear, 1847 (Recoleta), 4804-8424 (www.cardon.com.ar). Cc: A, D, M, V. 2ª/sáb 9h30/20h30, dom 10h30/17h30.

Morph
Em plena Plaza Francia, uma escada rolante dá acesso a essa loja meio surreal. Dá vontade de morar aqui dentro, em meio a tantos copos coloridos e luminárias criativas (em formato de balão, estrela, lamparina). Aos poucos, percebe-se a verdadeira função de cada objeto – o pinguim de plástico é, de fato, um cabo USB. Filiais nos shoppings Abasto, Alto Palermo, Dot Baires, Galerías Pacífico e Patio Bullrich. Av. Pueyrredón, 2501, Buenos Aires Design Center (Recoleta), 4806-3226 (www.morph.com.ar). Cc: A, D, M, V. 2ª/6ª 10h/21h, sáb/dom 12h/21h.

Falabella
A rede chilena está presente em vários endereços de Buenos Aires, mas é no Shopping Unicenter que fica a maior filial do país, unidade com dois andares e 15 mil m². No térreo há quiosques de dezenas de grifes internacionais: há maquiagem da M.A.C., relógios da Michael Kors, roupas da Yves Saint Laurent. No andar de cima há eletrônicos (de máquinas Nespresso a iPods), itens de cama, mesa e banho e produtos suficientes para equipar mil cozinhas. Filiais na Calle Florida (roupas no nº 202, produtos para a casa no nº 343 e eletrônicos no nº 665) e no Shopping Dot Baires. Av. Paraná, 3745, Shopping Unicenter (Martínez, San Isidro), 4717-1477 (www.falabella.com.ar). Cc: A, D, M, V. 10h/22h.

El Ateneo Grand Splendid
Era uma vez um teatro que virou cinema, um cinema que virou livraria e uma livraria que virou atração turística. A história da El Ateneo encontra o belíssimo Teatro Grand Splendid no ano 2000, mas muito glamour passou por aqui antes disso. O teatro foi construído em 1919 pelo austríaco Max Glücksmann. Depois de receber espetáculos de tango, o lugar passou a funcionar como cinema em 1926, assim se manteve por 70 anos. Em 2000, o Grand Splendid foi comprado pela rede de livrarias Yenni, que trocou as poltronas por milhares de livros, CDs e DVDs. E o palco – onde até Carlos Gardel se apresentou – virou um café, com piano ao vivo. São cinco andares: o térreo, três galerias e um subsolo, onde fica a seção infantil. Mesmo quem não deseja comprar nada deve conhecer o lugar – nem que seja para contar aos amigos que esteve na maior e mais linda livraria da Argentina. A matriz, fundada em 1912, fica no Centro (Calle Florida, 340). Av. Santa Fe, 1860 (Recoleta), 4813-6052 (www.tematika.com.ar). Cc: A, D, M, V. 2ª/5ª 10h/22h, 6ª/sáb 10h/23h. dom 14h/22h.

Tramando
Na loja você encontra as roupas criadas por Martín Churba – com sorte, pode encontrar até o próprio estilista. Ele vive por aqui, onde também funciona seu ateliê. No andar de cima, Churba desenha e faz pesquisas com diferentes tecidos (é assim que ele cria texturas únicas). Dono do maior prestígio internacional dentre os designers argentinos, tem lojas em Paris, Chicago, Madri e Tóquio. Em Buenos Aires, a filial fica no Shopping Paseo Alcorta. Calle Rodríguez Peña, 1973 (Recoleta), 4811-0465 (www.tramando.com). Cc: A, M, V. 2ª/6ª 10h30/20h30, sáb 11h/19h.

Barbie Store
Buenos Aires é a única cidade sul-americana a ostentar uma Barbie Store. Na verdade são duas, a de Palermo e a do Shopping Unicenter (ambas com cheirinho de chiclete). Há todos os produtos imagináveis para bonecas e crianças – ambas podem, inclusive, sair da loja com o mesmo look. Os provadores são irresistíveis, com espelhos de princesa e cortinas rosa. No mesmo espaço há uma lanchonete que serve docinhos, como o cupcake rosa, e um salão de cabeleireiro onde mães e filhas fazem maquiagem e penteados. Av. Scalabrini Ortiz, 3170 (Palermo), 0810-4444-227243 (www.barbie-stores.com). Cc: A, M, V. 2ª/sáb 10h/20h30, dom 13h/20h.

Etiqueta Negra
Repare no ambiente: fachada discreta, mobília escura e carros de colecionador (aqui há um Jaguar). Pois saiba que a decoração das lojas da Etiqueta Negra é tão elegante quanto suas roupas. A lista inclui sobretudos de lã, camisas talianas e jaquetas de couro. Não à toa, existe uma unidade em Palermo Soho e outra no Soho de Nova York. Filiais nos shoppings Dot Baires, Paseo Alcorta, Patio Bullrich e Unicenter. Calle Florida, esquina com Avenida Córdoba, Galerías Pacífico (Centro), 5555-5316 (www.etiquetanegra.us). Cc: A, D, M, V. 10h/21h.

Winery
É a loja com o melhor estoque de Buenos Aires. Desde rótulos top de linha (Luigi Bosca Icono, Cobos Malbec e Catena Zapata Malbec) até garrafas com bom custo-benefício (Clos de los Siete e Reserva del Fin del Mundo), há vinhos de mais de 100 bodegas argentinas, de todas as regiões. Filiais nos shoppings Abasto, Dot Baires e Unicenter. Av. del Libertador, 500 (Recoleta), 4325-3400 (www.winery.com.ar). Cc: A, M, V. 2ª/sáb 9h/21h.

10 hotéis mais econômicos

Dazzler Tower San Telmo
O bonito prédio de esquina está a 500 m da Plaza de Mayo – endereço de construções históricas como a Casa Rosada. E reúne boas acomodações, com TV de LCD, banheira e calefação controlada pelo próprio hóspede. A decoração de bom gosto vai do lobby ao terraço, onde está a piscina com vista panorâmica para a cidade. Calle Piedras, 303 (San Telmo), 54-11/5277-6050 (dazzlertowersantelmo.com). Desde US$ 74 (mais IVA). Cc: A, D, M, V.

Dazzler Libertad
Não tem tantas comodidades quanto outros da rede, mas reúne o suficiente para quem gosta da relação baixas tarifas e bons quartos. Hospedar-se aqui é estar ao lado do Centro e da parte mais charmosa da Recoleta. Calle Libertad, 902 (Centro), 54-11/4816-5005 (dazzlerlibertad.com). Desde US$ 89 (IVA incluído). Cc: A, M, V.

Ibis Obelisco
Segue o novo padrão da bandeira. Os quartos, compactos, exibem carpete de madeira e TV de LCD. A localização é ótima: está ao lado dos teatros da Avenida Corrientes e a cinco minutos a pé do Obelisco. Av. Corrientes, 1344 (Centro), 54-11/4370-9300 (accorhotels.com). Desde US$ 78 (IVA incluído), s/ ci. Cc: A, D, M, V.

Ibis Buenos Aires
Tem o estilo Ibis de ser: quartos bem-equipados com banheiros pequenos e lista reduzida de serviços para os hóspedes. De frente para a Plaza del Congreso. Calle Hipólito Yrigoyen, 1592 (Centro), 54-11/5300-5555 (accorhotels.com). Desde US$ 71 (IVA incluído), s/ ci. Cc: A, D, M, V.

Park Central
Mais um da rede Unique – desta vez em bulevar central, a poucos passos do Obelisco. Um pequeno elevador pantográfico leva aos bem-equipados quartos com TV de LCD e cama-box. Av. Roque Sáenz Peña, 1174 (Centro), 54-11/6777-0300 (parkplazahotels.com). Desde US$ 97 (mais IVA). Cc: A, D, M, V.

de Las Luces
A relação custo-benefício é perfeita se você procura um bom lugar para passar a noite e uma localização privilegiada. A uma quadra da Plaza de Mayo e pertinho da Feira de San Telmo, a hospedagem guarda quartos arrumadinhos, com bom espaço e cama-box. Calle Alsina, 525 (Centro), 54-11/4343-6776 (hoteldelasluces.com.ar). Desde US$ 85 (IVA incluído). Cc: A, M, V.

Rugantino
Tem tarifas bem abaixo da média e quartos que não fazem feio aos hotéisboutique da região. É comandado por uma simpática família de italianos, que o batizou com o nome de uma antiga comédia de seu país-natal. Não por acaso, o belo sobrado também ficou com cara de uma vila da Itália. Simples e com pé-direito alto, as acomodações não têm luxo, mas são bem arejadas, com boas camas e móveis rústicos. Calle Uriarte, 1844 (Palermo Soho), 54-11/4773-2891 (rugantinohotel.com). Desde US$ 75 (IVA incluído).

Kala
A diária é baixa e o hotelzinho, agradável. Instalado num sobrado, preserva o jeito caseiro na sala de estar e no quintal com parrilla e piscina. Ajeitados, os quartos têm cama-box e enxoval bacana, mas apenas dois têm frigobar e ar-condicionado. Calle Thames, 1263 (Palermo Soho), 54-11/4773-1331 (kalapetithotel.com). Desde US$ 90 (IVA incluído).

Lynns
É meio bed & breakfast, meio hotel-boutique. A proprietária, sempre presente, cobra US$ 80 apenas de quem paga em dinheiro (na tarjeta, o preço ganha o acréscimo do IVA). Os quartos são simples e alguns têm banheiro compartilhado. O café da manhã pode ser servido a qualquer hora. Calle Costa Rica, 4754 (Palermo Soho), 54-11/4831-9306 (lynns.com.ar). Desde US$ 80 (IVA incluído). Cc: A, D, M, V.

Costa Rica
Procurado por mochileiros, está numa região tranquila e, ao mesmo tempo, perto da badalação de Palermo Soho. É quase um labirinto com quartos distribuídos em uma casa histórica, num corredor e também num bloco novo, nos fundos. As unidades são simples, sem TV nem frigobar, e nove delas têm banheiro fora. Calle Costa Rica, 4137 (Palermo Viejo), 54-11/4864-7390 (hotelcostarica.com.ar). Desde US$ 86 (IVA incluído), s/ ci. Cc: A, M, V.

10 albergues bons e baratos

America del Sur
Não lembra nem de longe um albergue. Tem restaurante com pizzas portenhas (de massa grossa) no cardápio do jantar, um agradável pátio para fumantes e acomodações bem modernas, para casal ou até quatro pessoas. Calle Chacabuco, 718 (San Telmo), 54-11/4300-5525 (americahostel.com.ar).

Ayres Porteños
A estrutura é boa: há telefones públicos e computadores. A decoração, inspirada no Caminito, virou marca do albergue, que tem quartos simples, com banheiros coletivos. Calle Perú, 708 (San Telmo), 54-11/4300-7314 (ayresportenos.com.ar).

Che Lagarto
Com unidades em toda a América do Sul, inclusive no Brasil, vive cheio de gente jovem. A área social tem sala de TV, bar, quintal e cozinha. Os quartos, privativos e coletivos, são bem-arrumados. Calle Venezuela, 857 (San Telmo), 54-11/4343-4845 (chelagarto.com).

Eco Pampa
É um albergue-boutique na área mais badalada de Palermo Soho. Todas as acomodações, mesmo as que têm beliches, são bacanas – as privativas contam com TV de LCD e móveis coloridos. O “eco” do nome faz sentido: o hostel usa energia solar e conta com uma horta no terraço. Calle Guatemala, 4778 (Palermo Soho) 54-11/4831-2435 (pampahostel.com.ar).

Hi Recoleta
Um dos albergues mais antigos de Buenos Aires também é um dos mais movimentados. O público, um pouco mais velho, se aloja em quartos limpos, mas nada arrumados – só três têm banheiro privativo. Calle Libertad, 1216 (Recoleta), 54-11/4812-4419 (hirecoleta.com.ar).

Kapaké
Até os quartos coletivos, que têm ar-condicionado e TV de LCD com canais por assinatura, estão sempre em ordem – uma camareira arruma a bagunça todos os dias. Na área social, sala de estar com lareira e parrilla no quintal. Calle Paraguay, 5570 (Palermo Hollywood), 54-11/4773-1150 (kapake.com.ar).

Lime House
Mesmo os quartos privativos são bem simples – apenas um tem banheiro dentro. Há, contudo, algumas comodidades bacanas, como lockers do tamanho de mochilas. Está ao lado do Centro e de San Telmo. Calle Lima, 11 (Centro), 54-11/4383-4561 (limehouse.com.ar).

Milhouse
Quem quer badalação precisa se hospedar aqui. Superfamoso, o Milhouse está sempre lotado – reserve com bastante antecedência. Os quartos são simples, mas ninguém parece ligar – o negócio é conhecer gente nas baladas e eventos organizados pelo próprio albergue todas as noites. Calle Hipólito Yrigoyen, 959 (Centro), 54-11/4345-9604 (milhousehostel.com).

Milhouse Avenue
O sucesso da matriz é tanto que obrigou a abertura desta filial. Atrás da fachada discreta, há um bar onde acontecem eventos todas as noites (show de jazz, quizz, festa com DJs…). Os quartos, mesmo coletivos, têm banheiro privativo. Av. de Mayo, 1245 (Centro), 54-11/4345-9604 (milhousehostel.com).

V&S Hostel Club
Os hóspedes – jovens, na maioria – ficam em um sobrado do início do século 20, perto do Teatro Colón e do Obelisco. Com bons móveis e decoração bacana, os quartos podem acomodar duas, quatro ou até oito pessoas. Calle Viamonte, 887 (Centro), 54-11/4322-0994 (hostelclub.com).

Buenos Aires, Capital Federal, Argentina

Um comentário em “Buenos Aires: Um guia completo com dicas e informações sobre a capital Argentina”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *