Bariloche é o destino preferido dos brasileiros no inverno

É muito difícil que um viajante volte frustrado desse tradicional destino turístico do oeste da Argentina. Localizada no setor norte da cobiçada Patagônia, às margens do lago Nahuel Huapi, Bariloche já provou que está preparada para receber visitantes durante todo o ano, sobretudo os brasileiros que, na temporada de inverno, são mais de 50 mil. Não é a toa que o destino é conhecido como ‘Brasiloche’.

No inverno, a paisagem se pinta de branco, os cerros locais se enchem de neve e as baixas temperaturas, que chegam a atingir alguns pontos abaixo de zero, são uma agradável desculpa para a prática de esportes radicais ou apenas para um encontro entre amigos em alguma cafeteria do simpático Centro Cívico.

No entanto, a face invernal é apenas uma das versões possíveis dessa cidade multifacetada que, há menos de 100 anos, era uma região isolada e pouco conhecida, entre as cordilheiras dos Andes.

Opções não faltam para os visitantes que desembarcam na região durante os meses mais quentes da primavera e do verão. Trekkings por bosques de “arrayanes”, curiosas árvores que chegam a ter mais de 15 metros de altura e troncos grossos revestidos com uma casca fria de cor acanelada e manchas brancas; tranqüilos raftings pelas águas esverdeadas do rio Manso ou até kitesurfing no lago Nahuel Huapi, cujas águas são utilizadas também para congelantes banhos em praias improvisadas sobre terreno formado por pedras.

San Carlos de Bariloche, nome oficial dessa cidade a mais de 1600 km de Buenos Aires, recebeu seus primeiros residentes no final do século 19, um grupo formado por imigrantes alemães e austríacos dispostos a habitar aquele território então distante e com trechos intransitáveis. O decreto de sua fundação só viria em 1902, assinado pelo presidente Julio A. Roca.

Para repor as energias, o visitante tem à disposição uma gastronomia local que, entre pratos argentinos e outros trazidos da Europa, recebe os comensais com carnes de diferentes cortes e procedências, como as de cervo e coelho; pratos preparados com ingredientes trazidos de águas patagônicas, como trutas e salmões; foundes com sotaque suíço; e uma infinidade de tortas e chocolates. Tudo isso regado a vinhos respeitáveis com preços acessíveis.

Bariloche não deve mesmo frustar nenhum de seus visitantes.

INFORMAÇÕES E SERVIÇO

Site do paíswww.argentina.ar

Site de turismo do paíswww.turismo.gov.ar

Site de Barilochewww.bariloche.gov.ar

Site de turismo em Barilochewww.bariloche.org

Informações turísticas

Secretaría de Turismo de la Municipalidad de San Carlos de Bariloche
Centro Cívico
Tel: (54) (2944) 429-850.
Diariamente, das 9h às 21h
secturismomscb@bariloche.gov.ar

DDI – 54 (Argentina) / 2944 (Bariloche)

Idioma – Espanhol

Fuso horário – O horário argentino segue o mesmo padrão adotado em Brasília, podendo haver diferença de uma hora durante o horário de verão do Brasil. A Argentina adotou, recentemente, o hábito de atrasar os relógios durante os meses de verão, porém a prática não segue o mesmo calendário brasileiro.

Moeda – A moeda oficial é o peso argentino.

Visto e documentos – Não há necessidade de viajar com passaporte para a Argentina. O RG, com tempo de expedição que não ultrapasse os dez anos, é suficiente para permanência de até 90 dias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *