Fernando de Noronha registra alta no fluxo turístico em 2016

Localizado a 545 km de Recife (PE), o arquipélago de Fernando de Noronha, está na lista da viagem dos sonhos para muitos visitantes brasileiros e estrangeiros. Tanto que em 2016, o destino apresentou ligeiro crescimento em comparação a 2015, passando de 90 mil para 91 mil visitantes, alta de 0,75%. O crescimento do fluxo turístico no local é facilmente explicado. Noronha traz mar verde-esmeralda e baías azul-turquesa, além da vegetação e vida marinha abundantes.

Formado por 21 ilhas, numa extensão de 26 quilômetros quadrados, o local é procurado para a prática de surfe, ecoturismo, turismo de aventura, passeios históricos, entre outros. Em dezembro de 2016, o arquipélago recebeu 7.557 visitantes, sendo 92% nacionais e 8% internacionais. Somente entre os dias 26 e 31, foram 1.945 turistas. Para os dois primeiros meses deste ano, a expectativa é de que 16,1 mil pessoas passem pelo arquipélago.

Leia também: Dez lugares românticos para pedir alguém em casamento e receber um sim

“Certamente teremos um 2017 excelente para toda cadeia econômica e para o trade turístico”, projeta o administrador-geral de Fernando de Noronha, Luís Eduardo Cavalcanti Antunes. Ainda segundo ele, a taxa média de ocupação em 2016 alcançou a marca de 91%.


A exuberância natural também coloca Fernando de Noronha na lista dos réveillons mais disputados do Brasil. Em 2016, cerca de 1,5 mil pessoas participaram da festa que teve como tema “Réveillon Dourado”. A festa contou com a participação de muitas celebridades, entre atrizes, atores, músicos e cantores. “A festa foi muito bonita. Nós temos certamente um dos réveillons mais bonitos”, atesta o administrador.

Mas a alta procura pelo arquipélago não fica restrita às férias de fim de ano. Ainda segundo Antunes, entre 2012 e 2015, o local deixou de ter baixa estação, com uma procura uniforme ao longo do ano. De acordo com ele, a expectativa é de que em 2017 Noronha mantenha o resultado de anos anteriores e registre uma procura dento dos limites da ilha bem distribuída ao longo dos 12 meses.

PARAÍSO – Com uma população de cerca de 2,9 mil habitantes, Fernando de Noronha foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (Unesco). O local já teve praias eleitas como as mais bonitas do Brasil e do mundo, como a Praia do Leão e a Baía do Sancho, eleita duas vezes consecutivas como a praia mais bonita da Terra pelo site de viagens TripAdvisor, além do prêmio de melhor Ilha da América Latina, concedido pelo mesmo site.

Noronha é constituído de duas unidades de conservação federais (UCs): o Parque Nacional Marinho, mantido pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio); e a Área de Proteção Ambiental, administrada pelo Governo de Pernambuco.

VISITAÇÃO – Com o objetivo de resguardar e valorizar os ambientes naturais, o Parque oferece oportunidades controladas de visitação. O acesso à ilha é feito somente por barco ou nos três voos diários, saindo de Natal (RN) e Recife. A oferta de leitos também é restrita. “Não podemos ultrapassar esses limites sem os devidos cuidados com o meio ambiente”, explica Antunes. “Nosso destino é bem atípico. Temos nossas limitações e mesmo dentro dessa conjuntura e com forte crise econômica registramos números crescentes em 2015”, comemora.

Atualmente, o governo de Pernambuco cobra uma taxa diária de preservação ambiental (TPA) de R$ 68 nos primeiros cinco dias de permanência do turista no arquipélago. O valor é corrigido após o 5º dia e novamente após o 10º dia. Segundo Antunes, a ideia é desestimular uma maior permanência dos turistas e possibilitar a ida de outras pessoas.

A concessionária EcoNoronha que também administra o parque desde 2011, cobra R$ 99 pelo ingresso válido por dez dias. A empresa foi a vencedora do processo licitatório para o contrato de prestação de serviços de apoio à visitação pública e cobrança de ingressos. A concessão é válida por 15 anos.

HAVAÍ BRASILEIRO – Ao todo, 16 praias fazem de Noronha o lugar perfeito para o banho de mar e o mergulho. No mês de setembro, as chamadas praias do mar-de-dentro (área da ilha voltada para a costa brasileira) ficam extremamente calmas e a visibilidade chega a 50 metros de profundidade, o que lhe dá status de um dos melhores lugares de mergulho do mundo. Existem cerca de 17 pontos diferentes de mergulho, com diversas modalidades. Entre elas, o plana sub, snorkel e cilindro. Em setembro, também se realiza a Regata Internacional Recife/Fernando de Noronha (Refeno), uma aventura marítima de 300 milhas náuticas que reúne velejadores do Brasil e do exterior.

De dezembro a março, o vento e as correntes transformam as praias do mar-de-dentro no palco para o “show do surf”. A ilha é conhecida como o “Havaí brasileiro” devido às ondas que chegam a quatro metros de altura. As praias do “Mar de Fora”, Sueste, Atalaia, Caieira e Leão, voltadas para o continente africano, também são muito disputadas. A Atalia é considerada um dos melhores lugares para mergulho livre na ilha, desde que tenha presença de um guia. A Praia do Leão é o santuário das tartarugas marinhas e ponto de desova da espécie.

Outro atrativo de Noronha é a Baía dos Golfinhos, com toda a área reservada para descanso e reprodução dos animais. O local é um dos maiores aquários naturais da espécie rotadores. O acesso à baía é limitado por boias e cordas e condicionado à autorização prévia. Os animais podem ser vistos do alto da baía, no Mirante dos Golfinhos.

Boas opções não faltam para quem deseja desvendar a ilha a pé. A Trilha Costa Azul, com ponto de partida na Vila dos Remédios, tem um percurso com cerca de 2,3 km até a praia do Boldró. No trajeto podem ser visitados, além do conjunto histórico da Vila dos Remédios, o forte de Nossa Senhora da Conceição, a Pedra do Pião, a Vila da Conceição, as praias do Cachorro, do Meio, da Conceição, e do Boldró, e o trecho formado pelos seixos de rocha vulcânica que formam a base do morro do Pico.

Fonte: http://www.turismo.gov.br/component/content/article.html?id=7397

Viajantes frequentes apontam principais vacilos antes do embarque

Envolvida com o turismo por vários anos, a colaboradora da Forbes Laura Begley Bloom entrevistou viajantes frequentes de viagens internacionais para saber quais os piores erros a se cometer antes de embarcar. Confira abaixo dez dos piores vacilos antes de uma viagem a trabalho e clique aqui para conferir outros dez erros antes de uma viagem a negócios:

DESATENÇÃO COM OS HÁBITOS LOCAIS

“Durante minha primeira viagem ao Oriente Médio, sendo uma loira norte-americana, reservei tempo para ler o documento de 70 páginas que chegou com a confirmação de minha viagem. Havia alertas, que iam de cobrir cabeça e pescoço até recusar contratos verbais. Desde esse dia, toda informação se mostrou importante toda vez que viajo à região”, conta a fundadora do Oh the People You Meet, Michaela Guzy.

DEIXAR DE CONFERIR O TÍQUETE

“Estive em Berlim e Colônia em 2015 para vários eventos. Depois, veria um amigo em Portugal a partir de Frankfurt, saindo do aeroporto Frankfurt Hahn. Fui de táxi de Colônia para Frankfurt, mas desci no gigantesco aeroporto internacional da cidade, enquanto meu voo sairia do outro. Por pouco não perdi o voo, mas a lição foi aprendida: é importante conferir as passagens“, acredita o fundador da Sprinters, Mevish Aslam.

PLANEJAR DE ÚLTIMA HORA


“A pior coisa que já fiz foi aceitar uma viagem a negócios internacional de última hora que tinha como condição minha partida em cerca de três horas. Sem tempo para fazer as malas, era preciso deixar o país enquanto esperava o email de confirmação de hotel e traslado. Descobri pelo wi-fi do avião que a reserva não poderia ser feita porque o cartão de crédito foi bloqueado. Nunca mais vou a outro país ou mesmo outro Estado sem antes checar se tudo está certo com a viagem”, conta a palestrante e consultora de imagem, Jae Scott.


LEVAR APENAS BAGAGEM DE MÃO

“Sempre levo uma pasta versátil de mão, mas não preciso dela para chegar ao destino. Então, coloco dentro da bagagem a ser despachada. Se vou jantar em algum lugar, contudo, a pasta atrapalha – ainda mais se tratando dos apertados restaurantes espanhóis. Ter uma pequena mala com apenas o essencial é ótimo”, sugere o diretor de Vinhos do Barteca Restaurant Group, Gretchen Thomas.

ESTAR PREPARADO MESMO DO CAFÉ DA MANHÃ

“Hoje em dia, sempre tiro meu cartão profissional do bolso para pedir café e algum salgado de manhã. Não precisa ser um café da manhã completo, mas não há nada pior do que descer de manhã para conseguir café. Certa vez cometi esse erro ao descer sem maquiagem e praticamente de pijamas para pegar café e passei por 25 participantes do evento que seria no mesmo hotel. Eles estavam prontos”, lembra a editora da Hospitality Design Magazine, Stacy Shoemaker Rauen.

SOBRECARREGAR A AGENDA

“Quando viajo, tento fazer todas reuniões possíveis. Em grandes cidades, saio do hotel antes das 8h e volto só depois do jantar ou de algum bar. Mas é difícil se sentir bem e limpo depois de 12 horas seguidas na rua. Muitos spas oferecem day passes acessíveis para isso. Durante o inverno, é um ótimo local para revitalizar, enquanto que, no verão, refresca. É impressionante o que meia hora de spa pode fazer para sua alma”, diz a vice-presidente de Marketing da Rock Orange, Alyssa Bushey.

NÃO IMPRIMIR O NECESSÁRIO

“Tive que voar para Miami quando trabalhava para uma agência pouco depois que completei o ensino médio. Haveria uma festa, mas a lista final de nomes mudava até o último minuto e tive que pedir aos funcionários do hotel para que deixassem eu usar a impressora. A festa foi um sucesso, mas sinto o estresse daquele dia até hoje. Hoje, imprimo tudo o que possa precisar”, conta a fundadora da Beautiful Destinations, Gabrielle Blitz Rosen.

MUDAR A COBERTURA DO CELULAR

“Um erro bem caro que cometi foi confiar cegamente na operadora de celular quanto ao roaming internacional em uma viagem à Espanha. Bastava apenas mudar um comando no celular. Reclamei com a operadora e ela disse que não era obrigada a informar sobre a possibilidade. Desde então, leio todo o contrato sobre multas e pesquiso sobre planos de telefone e de dados antes de qualquer viagem internacional”, lembra a fundadora da Girls on the Go Club, Piya Bose.

SAPATOS IMPRÓPRIOS

“Quando era advogada, fui a Perth (Austrália) para revisão de documentos confidenciais. Peguei um par de salto alto que vivia debaixo da minha mesa. Coloquei-os nos pés quando estava no táxi a caminho da reunião, já no destino, quando me dei conta de que não sabia andar com eles. Moral da história: sempre use sapatos sem saltos. Você se sentirá mais segura e terá menos distração”, defende a diretora da Power of Thrift, Anita Dhake.

NÃO PROGRAMAR ALGUMA DIVERSÃO

“Eu não coloquei um dia a mais em uma recente viagem a negócios que fiz para São Francisco e perdi a reabertura do Museu de Arte Moderna. Mas na próxima vez, certamente farei questão de reservar um tempo para turismo”, avisa a editora do Foursquare Sarah Spagnolo.

Fonte: Forbes conteúdo original: http://ow.ly/fRsZ307GZeR